VIOLAB

VOLTAR

VIOLAB interviews Krzysztof Pełech

VIOLAB

You are one of the most important classical guitar players in Poland, with a strong classical background. The fourth record of your discography shows 3 Argentine composers – Astor Piazzolla, Jorge Cardoso, Jorge Morel –, and a Brazilian one – Sebastião Tapajós. After that, you have frequently included some South American composers to your repertoire. How started this interest for the South American music?

KRZYSZTOF

My serious interest in Latin American music started when I was 16. This was a year of very important festival and competition of south American music in Cracow (Poland). The jury was: Jorge Morel, Roberto Aussel and Jorge Cardoso; and I played musics of Astor Piazzolla, Jorge Morel, Cacho Tirao and Villa-Lobos. And I won it as a youngest participant! It was probably the most important competition for me – I have met Jorge Morel for the first time and we became friends. Later we played together concerts in England, Argentina, USA, Poland and Germany. Later I have recorded 2 CDs with Jorge’s music – solo and with orchestra.

From the other hand, I can only guess that the interest in latin music came from dance. But it was not me dancing, but my parents. When I was 5 or 6, in 1970s, my parents were very active dancers, taking part in many tournaments in Poland and abroad. They were practising ballroom dancing and latin dances like samba, rumba, pasodoble, cha-cha, jive... so I was listening to this music very often for many hours and very loud, sitting in front of the big speakers :-)

VIOLAB

The Brazilian music has been frequently visited in your repertoire as well. Besides more traditional composers as Pixinguinha and Radamés Gnatalli, you have played active composers as Sergio Assad, Celso Machado and Ulisses Rocha. How did you find out these musicians and their work?

KRZYSZTOF

Well, Brazilian music was always very popular among polish guitarists. I remember perfectly brilliant concerts of Assad Brothers in Poland and when I was a student I have played chamber music of Celso Machado and Radamés Gnatalli with flute or clarinette. I also love Argentine music and I have played many different arrangements of Piazzolla's History of Tango, with flute, accordion, clarinette, violin and also vibraphone.

VIOLAB

Normally it’s not so easy for a classical guitar player to understand the Brazilian rhythm, specially the “síncopas”, so common in all samba related grooves. This problem doesn’t happen to you and it seems to be very easy for you to perform this style. How did you developed this flexibility?

KRZYSZTOF

It is still not so easy for me to get all the rhythmical nuances, they are not written in the music. The only way to understand it is listening to the Masters. When I was a kid I have spent hours with headphones on my ears with the music of Tom Jobim, Baden Powell, João Gilberto, Astrud Gilberto, João Bosco... I’m still listening to the music of Matt Bianco, Leila Pinheiro, Bossacucanova, Herb Alpert and extremely complicated figures of Hermeto Pascoal.

VIOLAB

Sambalanço is your most recent CD, recorded in duo with Robert Horna. When did you both meet for the first time and why did you both decided to record together?

KRZYSZTOF

Playing with Robert is a very refreshing situation. Normally I play solo classical guitar recitals with musics of Bach, Giuliani, Tarrega, Tansman, Brouwer, Albéniz etc., and playing in a duo with Robert Horna give us much more freedom. We are improvising and making our own versions of known tunes like Libertango, Cavatina or Meio do Caminho... We have started playing together 6 years ago and now we are working on new arrangements of Spain by Chick Corea or Innocence by Keith Jarrett. Robert also has made a beautiful transcription of Caliente by Piazzolla for two guitars.

VIOLAB

The CD brings an interesting variety of colors in terms of repertoire, including Pat Metheny, Ralph Towner, Aziza Mustafa-Zadeh, Stanley Meyers, Astor Piazzolla, Celso Machado e Ulisses Rocha. What is your personal relationship with these artists and their songs?

KRZYSZTOF

We are big fans of Pat Metheny – he is a genius of improvisation! Most of the transcriptions are made by Robert Horna, who is very talented improvisator, and has great ideas and perfect pitch. Main part of the repertoire are my tips, the idea was to play some new songs that nobody played on two guitars before, like You by Pat Metheny or Fis by Aziza Mustafa Zadeh, originally written for solo piano.

VIOLAB

In some tracks, Pełech & Horna Duo performs inspired improvisation sessions, which is not very common for classical guitar players. When did you start exploring this dimension of your musicality?

KRZYSZTOF

Well, Robert studied the art of improvisation at University with a wonderful polish jazz guitarist – Artur Lesicki –, and I am still working on it, just listening to all kind of jazz and pop songs. If we would like to reach a wider audience, we need to develop skills of being more flexible as a guitarist. We can’t repeat what has been recorded before just to produce one more similar copy. The audience likes to be surprised.

VIOLAB

About Sambalanço recording aspects, the two guitars appear in very defined position in the stereo. This position reflects the real position of the guitar players on the stage, or there is some studio manipulation to help bringing more definition to the listeners?

KRZYSZTOF

We really care about the quality of sound and we have spent hours looking for the best sound possible! The recording session itself was a bit different from what classical guitarists usually do. The sound of our guitars appears closer to the listener and the sound is very warm and selective. The recording was made with best equipment you can imagine but with the analog technology.

VIOLAB

What guitars you both use in this recording?

KRZYSZTOF

I have play John Price guitar – a wonderful Australian Luthier –, and Robert plays a Spanish guitar by Manuel Perez and Boguslaw Teryks – a Polish guitar maker.

VIOLAB

Is there any preferred microphone or mic preamp, or you leave these aspects of your recordings to the sound engineer’s choice?

KRZYSZTOF

We just trusted our sound engineer from Recpublica Studios http://recpublica.pl/ - Lukasz Olejarczyk. He made a choice of the mics. He did a great job!

VIOLAB

Besides performing and recording, you are co-founder of Wrocław Guitar Society and artistic director of Wrocław Guitar Festival Gitara+. You are also one of the creators of International Guitar Summer Courses in Krzyżowa (Kreisau). How you combine the artistic and administrative functions?

KRZYSZTOF

Yes, that’s right. I’m an artistic director of two different events. The Gitara+/Guitar Masters Festival & Competition is one of the most important guitar events in the world! Summer Guitar Festival in Krzyżowa is more an education meeting. I also teach in Academy of Music in Bydgoszcz, where I have received PhD in Art.

The most important for me is playing concerts solo, with Robert or with orchestras. The festival that I organize is a great opportunity to meet such wonderful guitarists like Paco de Lucía, Martin Taylor, Al di Meola, John McLaughlin, Pavel Steidl, Aniello Desiderio, Zoran Dukić or Ulisses Rocha!

VIOLAB

How do these functions affect in positive and/or negative ways your artistic production?

KRZYSZTOF

It is just a matter of organizing your time. The day is long enough as long as you wake up at 6AM :-) Then you have time for practicing, organizing, teaching and fishing! And of course I always have time for my beautiful girls: Julia and Karolina :-)

                                                                                                         **********


VIOLAB entrevista Krzysztof Pełech

VIOLAB

Você é um dos violonistas mais importantes da Polônia, com uma forte formação clássica. O quarto registro de sua discografia mostra três compositores argentinos – Astor Piazzolla, Jorge Cardoso, Jorge Morel –, e um brasileiro – Sebastião Tapajós. Depois disso, você frequentemente passou a incluir alguns compositores sul-americanos em seu repertório. Como começou esse interesse pela música sul-americana?

KRZYSZTOF

Meu interesse sério pela música latino-americana começou quando eu tinha 16 anos. Este foi um ano de um festival e competição muito importante de música sul-americana em Cracóvia (Polônia). O júri era composto por: Jorge Morel, Roberto Aussel, Jorge Cardoso, e eu tocava músicas de Astor Piazzolla, Jorge Morel, Cacho Tirao e Villa-Lobos. E ganhei como participante mais jovem! Provavelmente foi a competição mais importante para mim – conheci pela primeira vez Jorge Morel e nos tornamos amigos, depois tocamos concertos na Inglaterra, Argentina, EUA, Polônia e Alemanha. Mais tarde, gravei 2 CDs com músicas do Jorge – solo e com orquestra.

Por outro lado, imagino que o interesse pela música latina veio da dança. Mas não era eu quem dançava, e sim meus pais. Quando eu tinha 5 ou 6 anos, na década de 1970, meus pais eram dançarinos muito ativos e participavam de muitos torneios na Polônia e no exterior. Eles estavam praticando dança de salão e danças latinas como samba, rumba, pasodoble, cha-cha, jive... Então eu escutava esse tipo de música muitas vezes, por muitas horas e muito alto, sentado na frente das grandes caixas de som :-)

VIOLAB

A música brasileira também foi frequentemente visitada em seu repertório. Além de compositores mais tradicionais como Pixinguinha e Radamés Gnatalli, você tocou compositores ativos como Sergio Assad, Celso Machado e Ulisses Rocha. Como você descobriu esses músicos e seus trabalhos?

KRZYSZTOF

Bem, a música brasileira sempre foi muito popular entre os violonistas poloneses. Lembro-me de concertos perfeitamente brilhantes dos irmãos Assad na Polônia, e, quando eu era estudante, toquei músicas de câmara de Celso Machado e Radamés Gnatalli com flauta ou clarinete. Eu também adoro a música argentina e toquei vários arranjos diferentes de History of Tango, de Piazzolla, com flauta, acordeom, clarinete, violino e também vibrafone.

VIOLAB

Normalmente, não é tão fácil para um violonista clássico entender o ritmo brasileiro, especialmente as "síncopas", muito comuns em todas as levadas relacionadas ao samba. Este problema não acontece com você e parece ser muito fácil para você executar esse estilo. Como você desenvolveu essa flexibilidade?

KRZYSZTOF

Ainda não é tão fácil para mim obter todas as nuances rítmicas, elas não estão escritas na música. A única maneira de entendê-las é ouvindo os Mestres. Quando eu era criança, passei horas com fones de ouvido escutando a música de Tom Jobim. Baden Powell, João Gilberto, Astrud Gilberto, João Bosco... Ainda escuto a música de Matt Bianco, Leila Pinheiro, Bossacucanova, Herb Alpert e músicas extremamente complicadas de Hermeto Pascoal.

VIOLAB

Sambalanço é o seu CD mais recente, gravado em duo com Robert Horna. Quando vocês se encontraram pela primeira vez e por que vocês decidiram gravar juntos?

KRZYSZTOF

Tocar com Robert é uma situação muito estimulante. Normalmente, eu toco recitais de violão clássico solo com músicas de Bach, Giuliani, Tarrega, Tansman, Brouwer, Albéniz etc., e tocar em um duo com Robert Horna nos dá muito mais liberdade. Estou improvisando e criando nossas próprias versões de músicas conhecidas como Libertango, Cavatina ou Meio do Caminho... Começamos a tocar juntos há seis anos e agora estamos trabalhando em novos arranjos de Spains, de Chick Corea, e Innocence, de Keith Jarrett. Robert também fez uma bela transcrição de Caliente pela Piazzolla para duas guitarras.

VIOLAB

O CD traz uma interessante variedade de cores em termos de repertório, incluindo Pat Metheny, Ralph Towner, Aziza Mustafa-Zadeh, Stanley Meyers, Astor Piazzolla, Celso Machado e Ulisses Rocha. Qual é a sua relação pessoal com esses artistas e suas músicas?

KRZYSZTOF

Somos grandes fãs de Pat Metheny – ele é um gênio da improvisação! A maioria das transcrições são feitas por Robert Horna, que é um improvisador muito talentoso, tem ideias fantásticas e afinação perfeita. A maior parte do repertório é feita com minhas dicas, a ideia era tocar algumas músicas novas que ninguém tocava em dois violões antes, como You, de Pat Metheny, ou Fis, de Aziza Mustafa-Zadeh e originalmente escrita para piano solo.

VIOLAB

Em algumas faixas, o Pełech & Horna Duo realiza sessões de improvisação inspiradas, o que não é muito comum para violonistas clássicos. Quando você começou a explorar essa dimensão da sua musicalidade?

KRZYSZTOF

Bem, Robert estudou arte da improvisação na Universidade com um maravilhoso guitarrista de jazz polonês – Artur Lesicki –, e eu ainda estou trabalhando nisso, só escutando todos os tipos de músicas de jazz e pop. Se quisermos alcançar um público mais amplo, precisamos desenvolver habilidades para sermos mais flexíveis como violonistas. Não podemos repetir o que foi gravado antes, só para produzir mais uma cópia similar. O público gosta de ser surpreendido.

VIOLAB

Sobre os aspectos de gravação de Sambalanço, os dois violões aparecem em posição muito definida no estéreo. Esta posição reflete a posição real dos violonistas no palco, ou há alguma manipulação de estúdio para ajudar a trazer mais definição aos ouvintes?

KRZYSZTOF

Nós realmente nos preocupamos com a qualidade do som e passamos horas procurando o melhor som possível. A sessão de gravação em si era um pouco diferente do que os violonistas clássicos costumam fazer. O som de nossos violões aparece mais próximo do ouvinte e o som é muito confortável e seletivo. A gravação foi feita com o melhor equipamento que você pode imaginar, mas com a tecnologia analógica.

VIOLAB

Que violões vocês usam nesta gravação?

KRZYSZTOF

Eu toco um violão de John Price – Luthier australiano admirável –, e Robert toca um violão espanhol de Manuel Perez e Boguslaw Teryks – fabricante de violão polonês.

VIOLAB

Existe algum microfone ou pré-amplificador de microfone preferido, ou vocês deixam esses aspectos das gravações para a escolha do engenheiro de som?

KRZYSZTOF

Nós confiamos em nosso engenheiro de som, da Recpublica Studios (http://recpublica.pl/), Lukasz Olejarczyk. Ele fez a escolha dos microfones. Fez um ótimo trabalho!

VIOLAB

Além de fazer suas apresentações e gravações, você é cofundador da Wrocław Guitar Society e diretor artístico do Wrocław Guitar Festival Gitara +. Você também é um dos criadores de cursos internacionais de violão em Krzyżowa (Kreisau). Como você combina as funções artísticas e administrativas?

KRZYSZTOF

Sim, é isso mesmo. Sou diretor artístico de dois eventos diferentes. O Gitara + / Guitar Masters Festival & Competition é um dos eventos de violão mais importantes do mundo. O Summer Guitar Festival em Krzyżowa é mais um encontro educacional. Eu também ensino na Academia de Música em Bydgoszcz, onde recebi o PhD em Arte. O mais importante para mim é tocar shows solo, com Robert ou com orquestras. O festival que eu organizo é uma ótima oportunidade para conhecer guitarristas tão maravilhosos como Paco de Lucía, Martin Taylor, Al di Meola, John McLaughlin, Pavel Steidl, Aniello Desiderio, Zoran Dukić ou Ulisses Rocha.

VIOLAB

Como essas funções afetam de forma positiva e /ou negativa sua produção artística?

KRZYSZTOF

É apenas uma questão de organizar o seu tempo. O dia é longo o suficiente quando você acorda às 6h da manhã :-) Assim você tem tempo para praticar, organizar, ensinar e pescar! E, claro, sempre tenho tempo para minhas lindas meninas: Julia e Karolina :-)

                                                                                                         **********

Asturias - Isaac Albeniz, by Pełech & Horna Duo - Krzysztof Pełech and Robert Horna

Live performance in Wrocław, Poland

https://www.youtube.com/watch?v=5smX8JFCq48