VIOLAB

VOLTAR

VIOLAB entrevista Tolgahan Çoğulu

A música ocidental, assim como nós a conhecemos, usa um sistema de afinação onde o menor intervalo entre duas notas é o semitom. Outras culturas, porém, utilizam em sua música intervalos menores que meio tom, o que gera um efeito característico, muito comum na música árabe ou oriental, que nos remete imediatamente a uma atmosfera que reconhecemos como “exótica”.

Tolgahan Çoğulu é um jovem violonista turco que assumiu a responsabilidade de construir uma ponte entre dois grandes hemisférios musicais, o oriental tradicional e o ocidental clássico. Tolgahan vem desenvolvendo com propriedade e consistência o violão microtonal, um instrumento clássico com a propriedade de reproduzir intervalos menores do que meio tom, além de coletar e executar arranjos feitos especialmente escritos para esse incrível instrumento.

Tolgahan Çoğulu é o nosso entrevistado de hoje.


VIOLAB

Conte-nos sobre o seu início com os estudos de violão.

TOLGAHAN

Eu comecei a tocar violão quando tinha 12 anos. Eu ouvia Iron Maiden, Guns and Roses e Metallica, e por isso eu sonhava em tocar guitarra elétrica. Eu comecei com o violão clássico e migrei para a guitarra elétrica em poucos anos. Eu comecei a ouvir Pink Floyd, Led Zeppelin, Yes, King Crimson, mas nunca conseguiu tocar da maneira que eles tocavam. É por isso que, aos 18 anos, voltei para o violão clássico.

VIOLAB

O violão clássico é um instrumento muito tradicional. Quando e por que você decidiu desenvolver um sistema de afinação microtonal em seu instrumento?

TOLGAHAN

Eu cresci em Istambul, uma cidade incrível que foi fundada entre dois continentes (de um lado é a Ásia, do outro é a Europa) e tem uma história impressionante. Enquanto ouvia a música tradicional microtonal da Turquia, as canções de ninar da minha mãe, o chamado das mesquitas à oração cinco vezes por dia, e programas de rádio e TV, eu aprendia, paralelamente, o violão clássico e o repertório de música ocidental padrão.

Fiz meu bacharelado em administração de empresas na Universidade de Boğaziçi e, durante esse período, fiz muitos concertos com o Clube de Folclore. Esse foi o lugar onde tivemos muitas discussões sobre o papel do violão na música tradicional da Turquia. Em 2000, fui moderador de um painel intitulado "Arranjos da Música Tradicional com o Violão” e convidamos alguns violonistas importantes neste campo, incluindo o pioneiro do violão “fretless”, Erkan Oğur. Lembro-me de mostrar meu primeiro design de violão para ele. Eu tentei amarrar trastes em um braço de violão fretless da mesma forma como no alaúde ou vihuela. Eu apliquei os trastes de Anatolian necked-lute 'Bağlama' ao violão. Acabei não ficando satisfeito com o resultado porque as cordas trastejavam.

Durante meu doutorado em violão na Universidade Técnica de Istambul, Dr. Erol Ucer Centro de Estudos Avançados em Música, fiz uma pesquisa sobre a história de violões microtonais e desenvolvi meu próprio projeto. Então, de volta à sua pergunta: a principal motivação por trás da concepção do meu violão foi tocar arranjos polifônicos de música tradicional microtonal da Turquia.

VIOLAB

Em seus vídeos podemos ver alguns violões diferentes, com diferentes conjuntos de trastes. Você poderia falar sobre esses instrumentos?

TOLGAHAN

No vídeo '5 Microtonal Guitar Types', apresentei todos os principais violões microtonais com o meu amigo Fernando Perez:

  1. Violão microtonal ajustável - meu próprio design;

  2. Violão Fretless;

  3. Violão com escala intercambiáveis;

  4. Guitarra microtonal de freta fixa;

  5. Adicionando trastes em um Violão padrão.

Com esses modelos, você pode tocar todos os tipos de música microtonal, incluindo temperamentos renascentistas e barrocos, afinação baseada em harmônicos naturais, afinação pitagórica, microtonalidade de temperamento igual (por exemplo, 19 tons, 24 tons, 31 tons por Oitava), música tradicional microtonal, como turco, curdo, árabe, indiano, gamelan balinês, vietnamita, música bretã, etc.

VIOLAB

O violão microtonal ajustável é um instrumento clássico regular com modificações apenas na escala, ou há outras modificações estruturais também?

TOLGAHAN

Eu projetei o violão microtonal ajustável em 2008. Foi feito por Ekrem Özkarpat. É um instrumento clássico normal com uma escala especial. Existem canais em cada corda e você pode deslizar todos os pequenos trastes ao longo da escala. Além disso, você pode remover ou inserir qualquer traste que você deseje.

Este não foi o primeiro violão com trastes móveis na história. Minha principal inspiração foi o projeto de René Lacote e Henry Carden em 1843 e o projeto de Walter Vogt em 1985. Recentemente, descobri que havia mais um desenho feito por Daniel Friederich, em 1977. A principal diferença é que, nos meus violões, você pode remover ou inserir qualquer traste sobre a escala facilmente. Outros projetos têm canais fechados que torna impossível adicionar ou removê-los.

VIOLAB

Você tem um duo de violões e seu parceiro toca um violão fretless, que parece mais flexível e simples em termos estruturais. Por que você prefere o modelo com trastes?

TOLGAHAN

O timbre do violão fretless é completamente diferente do timbre do violão clássico com trastes. Seu timbre está entre o alaúde e o violão. Além disso, é principalmente um instrumento monofônico. Não há sustentação nos acordes e, claro, suas notas não são precisas, principalmente se você quiser tocar uma peça de afinação justa. No meu instrumento, o som é o mesmo que o de um violão clássico padrão adequado para microtonalidade polifônica, que é o futuro da música, na minha opinião.

VIOLAB

Para tornar possível compreender melhor o seu propósito com o violão microtonal, poderia falar um pouco sobre a música makam, uma das razões que o conduziram a desenvolver este instrumento?

TOLGAHAN

Um microtom é qualquer tom menor que um semitom. A música das culturas do Oriente Médio tem sido desenvolvida monofonicamente há séculos, e é por isso que as várias escalas com microtons ganharam importância. A música ocidental é baseada em duas escalas, maior e menor. Tudo está acontecendo de forma vertical, com a harmonia. Enquanto na música urbana otomana/turca tradicional, temos mais de 500 makams, embora quase 50 deles sejam usados ativamente hoje. Um tom é dividido em 9 peças em música otomana/turca em vez de dois na música ocidental (C-C#/Db-D). Quando eu digo 'makam', não pense em uma escala. Cada makam tem uma escala, mas também uma certa gama hierárquica de tons, regras de modulação, direção melódica etc. Você tem que saber muitas coisas sobre um makam específico se você quiser improvisar nele. Desde o século XIX, as versões polifônicas da música makam foram compostas na Turquia, mas geralmente omitiram microtons. Se você omitir um microtom de um makam, ele se torna um modo como Dórico ou Frígio e perde todas as suas características. Meu o violão me permite tocar os microtons da maneira que eles devem soar e além disso, eu posso tocar acordes com estes microtons. Isso é o que torna este instrumento especial.

VIOLAB

Seu repertório é único. Você escreve suas próprias composições/arranjos?

TOLGAHAN

Em 2009, com o violão nas mãos, eu pensei: “este é um grande instrumento, mas não há nada para tocar nele no momento!”. Seguindo os passos de Segovia, eu decidi criar um repertório buscando alguns compositores para organizar música tradicional da Turquia para violão por conta própria. Desde 2009, 35 compositores escreveram peças para eu tocar. Eu gravei a maioria delas e você pode assistir a essas peças no meu canal do YouTube. Estou providenciando mais de 20 músicas da Anatólia (Ásia Menor), folclóricas e makams otomanos/turcos na construção de meu repertório. Eu não quero esquecer de mencionar John Schneider. Claro, também temos um repertório incrível graças ao pioneiro de microtonal John Schneider. Sem o incrível livro de John Schneider 'The Contemporary Guitar' e seus CDs, eu não teria sido capaz de projetar meu violão. Os artigos de John me mostraram o caminho!

VIOLAB

Você se apresenta em muitos festivais de violão ao redor do mundo. Normalmente, este ambiente é muito tradicional. Como os violonistas recebem o seu projeto musical?

TOLGAHAN

Desde 2009, eu estive em 32 países, principalmente em universidades e conferências, mais do que em festivais de violão. Concordo com você que os festivais de violão são tradicionais e se vê sempre os mesmos nomes, todos os anos. É por isso que alguns deles convidam o meu duo, que é composto de um violão microtonal e um fretless. Estou muito feliz com as reações dos violonistas nesses festivais. Eles acham nosso repertório único e eu acho que eles estão desfrutando de algumas coisas novas em relação ao repertório tradicional que é tocado e gravado milhares de vezes.

VIOLAB

Você é PhD em música pela Universidade Técnica de Istambul e também é um dos fundadores do departamento de violão clássico na mesma universidade. Seu projeto acadêmico inclui apenas experiências com a música microtonal e violão microtonal, ou você trabalha com o repertório clássico tradicional também?

TOLGAHAN

Eu venho ensinando violão clássico convencional desde 2010 na Universidade Técnica de Istambul, no Conservatório do Estado da Música Turca e no Centro de Estudos Avançados em Música. O que eu fiz de forma original foi fundar o primeiro departamento de violão microtonal do mundo em 2014, além do departamento de violão clássico. Se um violonista brasileiro quiser fazer mestrado ou doutorado comigo, ele ou ela pode vir para o Centro de Estudos Avançados em Música e escolher entre clássico ou microtonal. A língua é o Inglês. Se você perguntar sobre os violões que os alunos vão tocar, eu uso trastes do tipo de um violão convencional para convertê-lo em um microtonal em poucos segundos. Mas é claro que eles podem comprar um violão microtonal ajustável ou outros tipos também. No departamento, estamos trabalhando com todos os gêneros de música microtonal, incluindo música renascentista/barroca.

VIOLAB

Você anunciou um concurso de violão microtonal on-line com esses trastes gravados?

TOLGAHAN

Eu organizei a primeiro concurso de violão microtonal mundial em 2016. Ele é intitulado ‘Arranjos de Música da Anatólia para Violão Clássico com Trastes Adicionados'. Eu anunciei no YouTube e quem tivesse interesse poderia me enviar o endereço postal e eu enviaria pequenos trastes grátis. Recebi 50 endereços de 5 países diferentes e escrevi 50 cartas com 6 trastes em cada envelope. Três meses depois eu recebi 12 vídeos e decidimos sobre os melhores 6 arranjos. Você pode assistir aos vencedores no YouTube.

VIOLAB

As peças que você executa estão fechadas ou mantêm espaços abertos para experiências de improvisação?

TOLGAHAN

Meus arranjos solo não têm improvisações. Eles são como peças de repertório clássico. Por outro lado, a música do duo de violões microtonais têm muita improvisação graças ao incrível conhecimento do meu parceiro Sinan Cem Eroğlu sobre a música turca. Temos alguns trechos de improvisação no início ou no meio da peça para violão fretless de Sinan.

VIOLAB

Quantos CDs você gravou até agora?

TOLGAHAN

Eu gravei 4 CDs:

“Duoist, It Takes Two” com Erhan Birol. Gravado em duo onde os dois tocam com instrumentos convencionais. O repertório é original, incluindo meus próprios arranjos e peças compostas especialmente para nós.

“Atlas” foi o meu primeiro CD de violão solo microtonal, gravado em 2012. Eu toquei meus arranjos e também peças compostas especialmente para mim.

“Microtonal Guitar Duo” foi lançado em 2015. O repertório compreende arranjos de composições folclóricas anatolianas além de arranjos para composições de Chopin, Satie, Haydn entre outros.

“Guitar music of WA Mathieu” foi lançado em 2016, nos EUA.

VIOLAB

Você tem algum projeto futuro?

TOLGAHAN

Neste momento, eu moro em Bristol há um ano, realizando um projeto intitulado “Historic Tunings in Microtonal Guitar” (afinações Históricas em Violão Microtonal) na Universidade de Bristol. Um dos vídeos que preparei será lançado em breve no YouTube, intitulado "Microtonal Bach Experiment” (“Experimentos Microtonais em Bach”), incluindo uma peça de Bach em quatro afinações diferentes. Eu estou colaborando com o Prof. Jürgen Ruck, da Würzburg University of Music, que encomendou peças de câmara para violões microtonais de 7 compositores. Estudantes e professores de Würzburg, Istambul, Basel e Aarhus se encontrarão em Würzburg, em agosto, durante 2 semanas, e ensaiarão essas peças originais. Teremos concertos e gravações. O projeto é apoiado pelo DAAD.

VIOLAB

Em alguns de seus comentários, você menciona alguns violonistas brasileiros como Sergio Assad, Paulo Bellinati, Fabio Zanon, entre outros. Qual é a sua relação com o violão brasileiro?

TOLGAHAN

Existem incríveis violonistas e compositores brasileiros. Toquei “Jongo” e “Baiao de Gude” do Bellinati, e “Farewell”, do Sergio Assad, várias vezes nos meus concertos. Eu sou um fã de Villa-Lobos, Badi Assad e Baden Powell também. Eu assisti a um concerto incrível do Fabio Zanon em Istambul há vários anos. Da nova geração, fiquei impressionado com a música de meus amigos Thiago Colombo e Arnaldo Freire. Você pode ver a influência dos guitarristas brasileiros na história do violão clássico, no meu vídeo '100 Classical Guitar Pieces - History of the Classical Guitar (“100 Peças Clássicas para Violão - História do Violão Clássico").

VIOLAB

Você tem projetos com instrumentistas tradicionais da Turquia?

TOLGAHAN

Recentemente eu tive colaborações com os atores de Bağlama e eu estou muito feliz com o resultado. Minha dissertação de doutorado foi intitulada "A adaptação de técnicas de Bağlama no desempenho de violão clássico". Você pode ler este livro em minha página da Academia. No ano passado, fizemos um arranjo do Boomerang de Aziza Mustafa Zadeh com meu amigo Sinan Ayyıldız e Hewreman de Kamkar com Ali Kazım Akdağ, e estou muito satisfeito com os vídeos desses projetos.

                                                                                                              ****

Vídeos:

Adjustable Microtonal Guitar: https://www.youtube.com/watch?v=MYK_PF9WTRE

Major 3rd Problem of all Guitars: https://www.youtube.com/watch?v=XT4oOYj4SwQ

Microtonal Guitar Duo: https://www.youtube.com/watch?v=RVTsK_ADaUg

100 Classical Guitar Pieces: https://www.youtube.com/watch?v=dPR38BvVvNM

Ara Dinkjian - Microtonal Guitar: https://www.youtube.com/watch?v=zGahJ-FaKjY

Aziza Mustafa Zadeh - Boomerang: https://www.youtube.com/watch?v=uHqXLpEpJBA


VIOLAB INTERVIEWS TOLGAHAN ÇOĞULU

VIOLAB

Tell us about your start with the guitar studies.

TOLGAHAN

I started playing the guitar when I was 12. I was listening to Iron Maiden, Guns and Roses and Metallica, so it was my dream to play an electric guitar. I started with a classical guitar and switched to the electric guitar in a few years. I started listening to Pink Floyd, Led Zeppelin, Yes, King Crimson but never managed to play them the way they play it. That’s why when I was 18, I went back to the classical guitar again and have been playing since then.

VIOLAB

The classical guitar is a so traditional instrument. Why and When did you decide to develop a microtonal tuning system on your guitar?

TOLGAHAN

I grew up in Istanbul. Istanbul is an amazing city which was founded on two continents (one side is Asia, the other one is Europe) and has an impressive history. While hearing microtonal traditional music of Turkey from my mom’s lullabies, five times a day from the mosques, continuously from the radio and TV; I was learning the guitar with the standard Western music repertoire.

I studied business administration for my bachelor’s degree at Boğaziçi University and during that period, I had many concerts with the Folklore Club. That was the place we had many discussions about the role of the guitar in the traditional music of Turkey. In 2000, I was the moderator of a panel entitled ‘Arrangements of Traditional Music with the Guitar’ and we invited some important guitarists in this field including the fretless guitar pioneer Erkan Oğur. I remember showing my first guitar design to him. I tried to tie frets onto a fretless guitar neck in the same way as lute’s or vihuela’s. I applied the frets of Anatolian necked-lute ‘Bağlama’ to the guitar. In the end, I wasn’t satisfied with the result because the strings were buzzing.

During my PhD in guitar at Istanbul Technical University, Dr. Erol Ucer Centre for Advanced Studies in Music, I made a research about the history of microtonal guitars and came up with my own design. So back to your question, the main motivation behind designing my guitar was to play polyphonic arrangements of traditional microtonal music of Turkey.

VIOLAB

In your videos we can see some different guitars with different sets of frets. Could you talk about this instruments.

TOLGAHAN

In the video ‘5 Microtonal Guitar Types’, we summarized all main microtonal guitars with my friend Fernando Perez:

  1. My own design ‘adjustable microtonal guitar’;

  2. Fretless guitar;

  3. Guitar with interchangeable fretboards;

  4. Fixed fret microtonal guitar.

  5. Added frets on a standard guitar.

With these designs you can play all types of microtonal music including Renaissance and Baroque temperaments (meantone and well temperaments), just intonation based on natural harmonics, Pythagorean tuning, equal- tempered microtonality (for example,19 tone, 24 tone, 31 tone per octave), microtonal traditional music traditions such as Turkish, Kurdish, Arabic, Indian, Balinese Gamelan, Vietnamese, Breton music etc.

VIOLAB

The adjustable microtonal guitar is a regular classical instrument with modifications just on the fretboard, or there’s another structural modifications as well?

TOLGAHAN

I designed the adjustable microtonal guitar in 2008. It was made by Ekrem Özkarpat. It is a regular classical guitar with a special fretboard. There are channels under each string and you can slide all the small frets along the fretboard. Besides, you can remove or insert any fret you want.

This wasn’t the first movable-fretted guitar in history. My main inspiration was René Lacote and Henry Carden’s design in 1843 and Walter Vogt’s design in 1985. I’ve recently found out that there was one more design made by Daniel Friederich in 1977. The main difference between these guitars and mine is on my guitar, you can remove or insert any frets over the neck easily. Other designs have closed channels which makes it impossible to add or remove over the fretboard. This makes them more impractical than my design.

VIOLAB

You have a guitar duo. Your partner plays a fretless guitar, which looks like more flexible and simple in structural terms. Why you prefer the fretted one?

TOLGAHAN

The timbre and sound of the fretless guitar is completely different than the fretted classical guitar. Its timbre is in between oud and guitar. Besides, it is mostly a monophonic instrument. There is no sustain in the chords and of course your tones are not precise for example, if you want to play a just intonation piece. On my guitar, the sound is the same as the standard classical guitar timbre. Therefore, it is suitable for polyphonic microtonality which is the future of music in my opinion.

VIOLAB

To make possible to understand better your purpose with the microtonal guitar, could talk a little bit about the makam music, one of the reasons that conduct you to develop this instrument?

TOLGAHAN

A microtone is any tone less than a semitone. The music of Middle Eastern cultures has been developed monophonically for ages, that’s why the various scales with microtones gained importance. Western music is based on two scales, major and minor. Everything is going on in a vertical manner, with the harmony. Whereas in Ottoman/Turkish urban traditional music, we have more than 500 makams although almost 50 of them are actively used today. One wholetone is divided into 9 pieces in Ottoman/Turkish music instead of two in Western music (C-C#/Db-D).

When I say ‘makam’, don’t think about a scale. Each makam has a scale but also a certain range, hierarchy of tones, modulation rules, melodic direction etc. You have to know many things about a specific makam if you want to improvise on it.

Since 19th century, polyphonic versions of makam music has been composed in Turkey but generally by omitting microtones. If you omit a microtone from a makam, it becomes a mode like Dorian or Phrygian and it loses all its characteristics. My guitar allows me to play the microtones the way they should sound and besides, I can play chords with these microtones. That’s what makes this instrument special.

VIOLAB

Your repertoire is unique. You write your own compositions/arrangements?

TOLGAHAN

In 2009, I hold the guitar in my hands and thought ‘this is a great instrument but there is nothing to play on it at the moment!’ Following the footsteps of Segovia, I decided to create a repertoire by asking composers and arranging traditional music of Turkey on my own. Since 2009, 35 composers wrote for my guitar. I recorded most of them and you can watch these pieces on my YouTube channel. I arranged more than 20 Anatolian (Asia Minor) folk music and Ottoman/Turkish makam music for my guitar. I don’t want to forget mentioning John Schneider. Of course, we also have an amazing repertoire thanks to the microtonal guitar pioneer John Schneider. Without John Schneider’s amazing book ‘The Contemporary Guitar’ and his CD’s, I wouldn’t have been able to design my guitar. John’s articles showed me the way!

VIOLAB

You perform in many guitar festivals around the world. Normally, this environment is so traditional. How guitar players receive your musical project?

TOLGAHAN

Since 2009, I performed in 32 countries, mostly at the universities and conferences, more than the guitar festivals. I agree with you that the guitar festivals are traditional. We mostly see the similar names every year at these festivals. That’s why few of them invites my duo which has a microtonal guitar and a fretless guitar. I am very happy by the reactions of the guitar players in these festivals. They find our repertoire unique and I think they are enjoying some new stuff among the traditional repertoire which is played and recorded thousands of times.

VIOLAB

You are PhD in music by the Istanbul Technical University and is also a founder of classical guitar department. Your academic project includes just experiences with the microtonal music and microtonal guitar, or you work with the traditional classical repertoire as well?

TOLGAHAN

I’ve been teaching standard classical guitar since 2010 at Istanbul Technical University, Turkish Music State Conservatory and Centre for Advanced Studies in Music. What I did in an original way is to found the world’s first microtonal guitar department in 2014 in addition to the classical guitar department. If a Brazilian guitarist wants to do masters or PhD with me, he or she can come to Centre for Advanced Studies in Music and choose either classical or microtonal. The language is English.

If you ask about the guitars the students will play, I use taped frets on a standard guitar to convert a guitar into a microtonal one in a few seconds. But of course they can buy an adjustable microtonal guitar or other types too. At the department, we are working on all genres of microtonal music including Renaissance/Baroque music and just intonation music.

VIOLAB

I saw that you announced a microtonal guitar competition online with these taped frets.

TOLGAHAN

I organized the world’s first microtonal guitar competition in 2016. It is entitled ‘Arrangements of Anatolian Folk Songs for Classical Guitar with Added Frets.’ I announced on YouTube that whoever sends me their postal addresses, I’ll send free small frets. Then I got 50 addresses from 5 different countries and wrote 50 letters with 6 frets in each envelope. 3 months later I received 12 videos and we decided on the best 6 arrangements. You can watch the winners on YouTube.

VIOLAB

The pieces you perform are closed or keep open spaces for improvisational experiences?

TOLGAHAN

My solo arrangements have no improvisations. They are like classical standard repertoire pieces. On the other hand, microtonal guitar duo’s music has a lot of improvisation thanks to my duo partner Sinan Cem Eroğlu’s amazing knowledge of Turkish music. We have some improvisational parts at the beginning or in the middle of the piece for Sinan’s fretless guitar.

VIOLAB

How many CDs you recorded until now?

TOLGAHAN

I recorded 4 CDs:

‘Duoist, It Takes Two’ with Erhan Birol. This has two standard guitars. The repertoire is unique, my own arrangements and pieces composed for us by Turkish composers.

‘Atlas’ was my first solo microtonal guitar CD in 2012. I played my arrangements and pieces composed for me.

‘Microtonal Guitar Duo’ was released in 2015. Duo arrangements of Anatolian Folk Songs and Chopin, Satie, Haden, Myers’ music.

‘Guitar music of W.A.Mathieu’ was released in 2016 in the US. I played 20-minute long suite of Mathieu in just intonation.

VIOLAB

Do you have any upcoming project?

TOLGAHAN

At the moment, I live in Bristol for a year, carrying out a project entitled ‘Historical Tunings on Microtonal Guitar’ at Bristol University. One of the videos I prepared will be released soon on YouTube entitled ‘Microtonal Bach Experiment’, including a Bach piece in four different tunings.

I am collaborating with Würzburg University of Music, Prof. Jürgen Ruck and we commissioned from 7 composers for writing pieces for microtonal guitar chamber music. We already have amazing music such as microtonal guitar quarter, sextet, microtonal guitar and chamber ensemble etc. Students and teacher from Würzburg, İstanbul, Basel, Aarhus will meet in Würzburg in August for 2 weeks and rehearse these unique pieces. Then, we will have concerts and recordings. The project is supported by DAAD.

VIOLAB

In some of your comments, you mention certain Brazilian guitarists as Sergio Assad, Paulo Bellinati, Fabio Zanon, among others. What’s your relationship with the Brazilian guitar?

TOLGAHAN

There are amazing Brazilian guitarists and composers. I played Bellinati’s Jongo and Baiao de Gude, Sergio Assad’s Farewell several times in my concerts. I am a fan of Villa-Lobos, Badi Assad and Baden Powell as well. I watched Fabia Zanon’s amazing performance in Istanbul several years ago. For the new generation, I was impressed by my friends Thiago Colombo’s and Arnaldo Freire’s music.

You can see the influence of Brazilian guitarists on history of classical guitar on my video ‘100 Classical Guitar Pieces - History of the Classical Guitar.’

VIOLAB

Do you have projects with the traditional instruments of Turkey?

TOLGAHAN

Recently I had collaborations with the Anatolian necked-lute Bağlama performers and I am very happy with the result. The tapping technique has been developed enormously on Bağlama in the last years. My PhD dissertation was entitled ‘The Adaptation of Bağlama Techniques on the Classical Guitar Performance.’ You can read this book on my Academia webpage. Last year we made an arrangement of Aziza Mustafa Zadeh’s Boomerang with my friend Sinan Ayyıldız and Kamkar’s Hewreman with Ali Kazım Akdağ, and I am very satisfied with the videos of these projects.

                                                                                                              ****

Videos:

Adjustable Microtonal Guitar: https://www.youtube.com/watch?v=MYK_PF9WTRE

Major 3rd Problem of all Guitars: https://www.youtube.com/watch?v=XT4oOYj4SwQ

Microtonal Guitar Duo: https://www.youtube.com/watch?v=RVTsK_ADaUg

100 Classical Guitar Pieces: https://www.youtube.com/watch?v=dPR38BvVvNM

Ara Dinkjian - Microtonal Guitar: https://www.youtube.com/watch?v=zGahJ-FaKjY

Aziza Mustafa Zadeh - Boomerang: https://www.youtube.com/watch?v=uHqXLpEpJBA